27 de janeiro de 2013

Sobre ruir


Você encara o mundo através de seus olhos verdes, mas ele parece ter perdido a cor. E a cada dia que passa, eu vejo que se sente mais sozinha, sem saber em quem confiar. Todos nós já a decepcionamos. Todos nós já ferimos seu coração, ao menos uma vez. E eu sei que não consegue esquecer. Tão jovem e já carrega o mundo nas costas, dissimulando as suas dores em forma de sorrisos. Sou só eu que noto o desespero por trás deles? Talvez seja, mas provavelmente não. Você anda tão triste que me corta o coração. Perdeu a fé, e ainda é tão pequena.


Mas então, quando eu menos espero, você admite pra mim que não gosta das pessoas que estão ao seu redor. E que tem medo delas. Mas que ainda acredita em mim, e que queria ficar só comigo. Eu, tola e imperfeita, sinto aquele aperto no estômago, sentindo a pressão e a responsabilidade que recai sobre mim se suas palavras forem verdadeiras. Tenho tanto medo de te magoar e de te perder, você está tão frágil e seria tão fácil. Algumas palavras desmedidas e eu poderia lhe partir ao meio. Um julgamento, e não restaria mais nada.

Ah, minha pequena, se você soubesse o quanto eu fico apreensiva quando demonstra essa sua confiança em mim. Gostaria de ser um apoio sólido, mas a verdade é que eu também estou desmoronando. E não sou tão forte quanto deveria ser. Ou tão nobre. Admito que, às vezes, eu canso de enxugar as suas lágrimas. E a minha voz enfraquece quando tenho que lhe dizer que vai ficar tudo bem. E por um momento, eu penso em não dizer nada, segurar a sua mão e assistir a sua dor calada. Mas eu não consigo, eu ainda não consigo.

Continuarei te apoiando, enquanto minhas forças me permitirem, e então, um pouco mais. Posso não ser tão forte assim, mas eu tentarei ser no momento em que precisar de mim. Porque nesse momento, é você que não pode cair. Enquanto isso, continuarei ruindo em silêncio. Você me perdoa por guardar esse segredo de você? Eu prometo que no dia em que você voltar a ver cores no mundo e a sorrir de verdade, eu me levantarei. Pra me fortalecer na sua cura. Você pode ter perdido a fé, mas se me permitir, eu divido a porção que me restou, com você.

As semanas estão ficando cada vez mais cheias, por isso tenho estado em falta com o blog. Mas, na medida do possível e do meu próprio tempo, vou achando um jeito de conciliar as minhas duas vidas: a real e a virtual. Obrigada pelos comentários nos posts passados, vou retribuir assim que eu puder. Beijos. P.S.: Eu preciso admitir, o post de hoje é um desabafo.

23 comentários:

  1. "Você pode ter perdido a fé, mas se me permitir, eu divido a porção que me restou, com você."

    Muito lindo isso. Bom saber que ainda é possível admirar o ser humano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Malu. É mesmo uma coisa reconfortante.

      Excluir
  2. Eu achei muuuuito bom o seu desabafo.A forma como escreve, a sinceridade..enfim.Eu acho que quando estamos apaixonados por alguém e vice-versa,sempre temos esse medo estranho de magoar nosso parceiro né?Porque você sabe que ele (Ou ela!) passou por um passado complicado.É normal..mas eu acho que o importante pe agir de acordo com nosso coração e não por bondade (:
    Achei tão sincero o teeexto!

    amei aqui,garota :)
    beeijinhos
    http://borboletametamorfoseando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Carolina, interessante o modo como interpretou o texto.

      Excluir
  3. Puxa Éli-ponto, que texto desabafo declaração esse hein!
    Muito bom e inteligente, além de emocionado! Parabens!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada André, uma declaração desabafo não tem como não ser emocionado né? rs

      Excluir
  4. Quando se ama tem disso mesmo: passar por cima de tudo que sentimos pra nos ajudar. Mas não perca a fé: não espere nada em troca, mas será recompensada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, não tem para onde correr. Temos de ser fortes, não só por nós mesmos, mas pelo outro também.

      Excluir
  5. Oi Mallu
    Que texto lindo! Eu iria comentar se era ficção ou real, mas vc já disse que é real. Vc escreve muito bem,não me canso de falar isso!
    Bjos.Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  6. Que lindo! Sério, adorei seu texto! E preciso dizer que combinou perfeitamente com a imagem, extremamente simbólica.
    Ah, e sobre os SK, eu nem lembro direito quando comecei a me interessar por eles. Sempre tive uma atração absurda por essas coisas hardcore, e aí era um passo pra acabar perdendo tardes e tardes a fio estudando sobre crimes e, principalmente, sobre loucura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É interessante, apesar de meio mórbido.

      Excluir
  7. Olá, Mallu.
    Bastante reflexivo seu texto; creio que, quando alguém muito próximo a nós necessita de ajuda e apoio, não podemos sequer pensar em negar isso e devemos fazer o que estiver a nosso alcance para ajudar.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. É tão triste quando perdemos a fé, em nós mesmos, nos outros, ou no mundo, tanto faz, perder a fé é estar indiferente ao mundo, à qualquer coisa que acreditávamos, e não me imagino sem isso hoje.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma triste mesmo Jeni, mas será que é possível crescer nesse mundo e não perder a fé? Está se tornando cada vez mais difícil.

      Excluir
  9. É um dos textos mais bonitos que eu já li, e que eu pude encontrar um pouco de identificação. Acho que, em algum ponto da vida, nossas relações mais sinceras vão colocar-nos nessa situação. Quando os sentimentos mais delicados vêm à tona, precisamos encontrar forças em fontes inimagináveis, e vamos tentando seguir em frente. Mas não por nós.

    Mallu, indiquei-te para um meme no meu blog. Espero que goste. Beijos. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Yuu, é isso mesmo que descreveu.
      Amei o Meme, vou fazê-lo em breve.
      Beijos.

      Excluir
  10. Lud, eu arrepio com os seus textos e confesso que tento saber o motivo dos desabafos e tal... Eu sinto falta de conversar com você, rs.
    Eu li e me vi com a minha irmã. Diversas vezes tive que encontrar forças e procurar palavras para ajudá-la, mas é em vão. O melhor é ficar quieta abraçando-a mesmo... E admirando o quanto ela é mais forte que eu.
    Amei muito, muito mesmo esse texto! Todos os seus textos, rs.
    E obrigada pela sua amizade! ♥

    P.S.: A carta chegou? ;3 hihi
    Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anninha! Que saudade!
      Sua carta já está pronta, viu? Obrigada por ainda me acompanhar.
      beijos

      Excluir
  11. É complicado quando isso acontece, quando perdemos a fé e a confiança no mundo e nas pessoas que nos rodeiam. E por isso nos fechamos em nosso próprio mundo, assim só para evitar que as pessoas mais próximas possam mesmo que sem querer, ruir com o que resta.
    O seu texto mexeu comigo, aliás de alguma forma, eles sempre mexem. Uns mais que outros. Por isso que eu te proíbo de parar de escrever, tá me ouvindo - lendo, no caso -?
    xoxo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. To lendo Sikinha. Vou fazer o (im)possível, pode ser? rs

      Excluir
  12. Muito bonito o texto e ainda mais sabendo que é sobre a sua vida real . E o tempo lhe ajudara a conciliar os dois vc tem muito talento para ficar longe do mundo blogueiro.

    ResponderExcluir

Nada de jogar as suas opiniões pela janela!
Comentários são sempre bem vindos. Se expresse, mas seja respeitoso.

Beijo da garota que não defenestra ideias.