24 de fevereiro de 2012

Sobre um balão de ar quente

"Cai cai balão, cai cai balão
Na rua do sabão
Não cai não, não cai não, não cai não
Cai aqui na minha mão!"



Sou um balão de ar quente. Viajo na velocidade em que o vento sopra. Estou voando pelos céus, sendo guiada pela imprevisibilidade. Talvez chova. Talvez eu veja a face iluminada do Sol. A única certeza que tenho é de que respiro incertezas.


Estou observando um mundo sob um novo ângulo. Daqui, a crueldade e a injustiça parecem estar submersas em um sono profundo.  Enquanto a brisa sopra, a calmaria reina soberana. Meus olhos estão abertos para a tamanha beleza do universo. Me assombro. Me encanto. E estando em tão alto plano, eu posso ver, eu finalmente posso ser.


Na memória, carrego a lembrança do que deixei em terra. Pessoas e sentimentos que ficaram pra trás quando virei balão. A verdade é que eles nunca foram embora realmente, e quando eu voltar ao chão, é provável que retornem como se eu nunca tivesse partido. Porém, pode ser que eles não resistam ao tempo e desapareçam. Como se nunca tivessem existido.


Em minha viagem, conheço o desconhecido. Venço meus medos enquanto ainda tenho fogo o suficiente pra isso e continuo seguindo em frente. Suprimindo o receio de não saber onde vou cair. Balão quando cai no lugar errado, do jeito errado, pode começar um incêndio. No fim, só espero desviar das mãos do tempo. Não cair não. Mas quem sabe, cair na rua do sabão?

Um dia já fui pessoa
Pessoa que não voa
Hoje sou balão
E enquanto a chama não se apaga
Também sou coração

Texto feito em parceria com uma nova blogueira, mas que já é mô velha em minha vida. Quem mandou nossas mães engravidarem na mesma época, né prima? Unidas desde o nascimento. 


Amo você. Ontem. Hoje. Sempre.


Mallu-Kai

11 comentários:

  1. maravilhoso texto e muito refletivo. Se deixássemos de ser pessoas e passássemos a ser um balão?..... Como seria?...

    bj às duas

    ResponderExcluir
  2. O que posso fazer, se com chuva ou sol, quando nos unimos as coisas sutilmente fluem?
    MalluKai, desde sempre, para sempre.

    ResponderExcluir
  3. *-* Haha, o texto q me fl. :D

    "(...) pode ser que eles não resistam ao tempo e desapareçam."

    Bjs pra vcs! ;**

    ResponderExcluir
  4. Conhecia este texto, nossa perfeito .
    Beijo Flor ♥

    ResponderExcluir
  5. Encantador blog el tuyo, un placer haberme pasado por tu espacio.

    Saludos y un abrazo.

    ResponderExcluir
  6. Oi Mallu,

    Penso que ser balão é melhor do que ser o vento porque a parada é possível.

    Lindo o comentário sobre a prima!

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  7. Ah, este texto realmente foi escrito em parceria com a sua prima? Ficou bem legal e coerente. Eu não gosto muito de escrever com colaboração, porque cada pessoa tem seu jeito de escrever. E as vezes as ideias não são as mesmas. Mas, enfim, gostei muito da metáfora. :)

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Gostei e achei BASTANTE inusitado, sério.
    Parabéns pras duas!

    ResponderExcluir
  9. "Estou observando um mundo sob um novo ângulo."
    passei a observar assim também noss mundo

    bem interessante e criativo o texto
    Parabéns

    --
    sawuelbruno™

    ResponderExcluir
  10. Quem diria em Mallu que entre meu apelido de infância e nossas ideias ao vento, daria este belo texto?
    Mais uma parceria com você.
    Abraços little darling. (:

    ResponderExcluir

Nada de jogar as suas opiniões pela janela!
Comentários são sempre bem vindos. Se expresse, mas seja respeitoso.

Beijo da garota que não defenestra ideias.